Archive for setembro \27\UTC 2009

h1

De repente 33

setembro 27, 2009

E eis que chegou o dia:  TRINTA E TRÊS!

Assim mesmo, em maiúsculo e bem sonoro, como aqueles solicitados pelos médicos para ouvir alguma coisa que eu nunca descobri o que é.

E é bem assim,  sem querer descobrir o que há de se diagnosticar com a chegada dos trinta e três anos, que começo a escrever. Sei que pelos registros encontrados, trinta e três é um número de bom agouro e explorado pelas sociedades secretas desde a antiguidade.

O número trinta e três também é conhecido pela idade de Cristo e de Alexandre, o grande. E por isso talvez represente, para alguns, um ápice.

Mas eu prefiro destacar que trinta e três é o numero de vértebras que um ser humano tem ao longo de sua coluna, assim lembro-me de toda a “coluna vertebral” criada pelas experiências vividas nesses trinta e três anos. Base para a minha sustentação.

E assim como as trinta e três vértebras da coluna, os meus trinta e três anos são constituídos de materiais fibrosos e gelatinosos: Dúvidas, medos, incertezas, decepções e tristeza que deixam a vida um pouco mais “fibrosa”, mas também crenças, descobertas, aventuras e alegrias, que desempenharam a função de amortecer e me alavancar até hoje. Por isso meus trinta e três anos também servem de apoio para as outras partes do meu esqueleto, e me ajudam a sustentar os próximos anos que vierem.

Mas eu, como legítima Remista (também com R maiúsculo), não poderia deixar passar a oportunidades de lembrar que trinta e três também é tabu.   O maior regional do Brasil, no futebol. Onde o meu time do coração, Clube do Remo, ficou 33 jogos sem perder para o timinho (Paysandu), entre 1992 e 1997.

Como vocês podem ver. Trinta e três é um número auspicioso e quiçá, tempo de marcos  e grandes lembranças.

Feliz trinta e três anos para mim!

h1

Embates e encontros

setembro 2, 2009

CoracaoNatureza

“E eu cheguei a conclusão de que não se tratava mais de permanecer para fazer o embate, mas de sair para fazer o encontro”

(Senadora Marina Silva, em entrevista ao Jô, dia 31/08/2009, falando a respeito de sua saída do PT para o PV)

 

Eu também estou deixando os embates para trás e indo em busca de encontros
Encontro com a leveza de quem não traz o rancor de algo esperado que não aconteceu.
Encontro com o riso espontâneo que a muito não passava por aqui e que em seu lugar mandava palavras ríspidas saídas de lábios nada carinhosos.
 
Não estou dizendo para desistir dos embates, pelo contrário. Embates são necessários. A luta por uma causa é sempre um ato envolvente, enérgico e eu diria até, entorpecente.
Mas como todo entorpecente, um dia acaba o seu efeito, e não tendo chegado onde se gostaria, o mais sensato é bater retirada e deixar o embate para viver o encontro.
O embate com o tempo cansa. Cansamos dos golpes, das perdas, dos cortes. Corte de sonhos, corte de futuro, corte de alegrias e por isso o encontro parece o ponto de descanso no meio da guerra.
Mas não é para atingir a paz que se faz a guerra? Então agora é tempo de paz, de encontro e não mais de embates.
O da Marina Silva é o encontro com a preservação ambiental, o meu é o encontro com a minha preservação mental!
h1

Sol de Primavera

setembro 1, 2009

Pôr-do-sol

 

Quando entrar setembro
E a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão
Onde a gente plantou
Juntos outra vez

Já sonhamos juntos
Semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz
No que falta sonhar

Já choramos muito
Muitos se perderam no caminho
Mesmo assim é facil inventar
Uma nova canção
Que venha nos trazer
Sol de primavera
Abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor
Só nos resta aprender

(Beto Guedes)

 

Enfim Setembro… O mês mais bonito do ano!